Continuando a polêmica em torno de Saramago, dessa vez é o lançamento de seu novo livro “Caim”, que tem levantado críticas belicosas pelas partes religiosas mais conservadoras…

Interessante e um tanto ousada a ideia de vendê-lo junto com a Bíblia, como diz o artigo…

Mal posso esperar para adquirir o meu exemplar! 🙂

Os grifos são meus!

+++
Por Cristina Fuentes-Cantillana MADRI (Reuters) – O escritor português José Saramago apresentou em Madri seu livro “Caim”, um olhar irônico sobre o Velho Testamento que recebeu críticas fortes da Igreja Católica e grupos de direita desde seu lançamento em Portugal, há duas semanas.

Não escrevo para agradar e tampouco escrevo para desagradar“, explicou o autor, Prêmio Nobel de Literatura em 1998. “Escrevo para desassossegar.”

Saramago - Caim

No livro, caim e deus – com seus nomes sempre grafados com letra minúscula – fazem um trato e acordam que o castigo por matar abel será vagar pelo mundo com uma marca na testa e sem chegar a morrer.

Assim, em tom humorístico, o escritor português faz uma crítica à obediência cega.

“É verdade que há um movimento de ‘embotamento‘, com perdão, na sociedade atual, em meu país e em qualquer outro”, disse Saramago na segunda-feira.

“Caim” segue na esteira de “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, de 1991, no qual o autor revisou o Novo Testamento, dando-lhe um novo narrador.

Sua nova obra vem provocando uma reação por parte da extrema direita política portuguesa que Saramago definiu como “muito violenta”, embora tenha dito que quem criticou o livro ainda não teve tempo de fazer sua leitura.

“(A queixa principal) é que não deveria ter feito uma literatura literal em lugar de simbólica”, comentou. “O problema é que as visões simbólicas são muitas.”

Na primeira semana de “Caim” nas livrarias portuguesas e brasileiras já foram vendidos cerca de 30 mil exemplares do livro, que agora está sendo oferecido juntamente com a “Bíblia” em muitas livrarias, segundo um editor de Saramago.

A tiragem inicial em espanhol é de 130 mil exemplares, segundo a editora Alfaguara.

O caim da história presencia os acontecimentos do Velho Testamento, como a ordem dada a Abraão para sacrificar seu filho ou a destruição de Sodoma e Gomorra.

“Todos temos a obrigação de observar nossa sociedade, uma sociedade em que a violência é socialmente aceita”, explicou o autor.

“Criamos um Deus à nossa imagem e semelhança (…) e por isso ele é tão cruel, porque nós somos cruéis.”

Fonte: Estadão/Reuters