A notícia da ossada encontrada, que poderia ser de São João Batista, havia sido publicada aqui no IC, em 2010: Arqueólogos búlgaros dizem ter encontrado ossos de S. João Batista .

A novidade, é que após terem realizado a datação de uma falange (osso do dedo), descobriram que é de um indivíduo do séc. I. A partir do DNA dos ossos, identificaram que é provavelmente de um homem, e que também possui genes característicos do Oriente Médio. Como os próprios pesquisadores reconhecem no artigo, não há como saber exatamente se a ossada é de São João, mas as evidências encontradas até o momento não excluem essa possibilidade.

+++

Falange analisada por pesquisadores da Universidade de Oxford é do século 1, época em que teria vivido santo que batizou Jesus Cristo

Uma ossada encontrada em uma igreja búlgara em 2010 pode, efetivamente, ser de São João Batista, segundo pesquisadores da Universidade de Oxford, Grã-Bretanha, que submeteram os ossos a uma nova datação de carbono 14.

Kazimir Popkonstantinov, segurando o suposto relicário.

A falange analisada em Oxford é, de fato, datada do século I, correspondente à época em que o pregador, parente de Jesus, teria vivido, segundo diferentes textos religiosos, indicou a universidade em um comunicado.

Reconhecendo a surpresa ao constatar a idade avançada da ossada, os cientistas destacaram, contudo, que esta datação não basta para autentificar a relíquia.

A descoberta ocorreu em 2010 por arqueólogos que faziam escavações em uma antiga igreja situada em uma ilha búlgara denominada Sveti Ivan, que significa, literalmente, “São João”.

Do chão localizado perto do altar, eles extraíram um pequeno sarcófago de mármore contendo restos humanos – entre os quais uma falange, um dente e a face de um crânio -, bem como três ossos de animais.

Thomas Higham e Christopher Ramsey tentaram datar os ossos humanos, mas apenas um deles, a falange, ainda continha suficiente colágeno (uma proteína fibrosa) para permitir uma boa datação por carbono 14, forma de carbono radioativo, portanto instável.

Nós ficamos surpresos que a datação tivesse revelado uma idade tão avançada. Nós pensamos que os ossos fossem mais recentes, talvez dos séculos III ou IV. Contudo, os resultados são realmente coerentes com qualquer um que tenha vivido no século I“, declarou o professor Higham em um comunicado.

Se se trata de São João Batista ou não é uma pergunta que nós não podemos e provavelmente nunca poderemos responder“, assegurou.

Outros cientistas, da Universidade de Copenhague, reconstituíram uma parte do genoma de três ossos. As sequências de DNA obtidas mostram que pertenceram a um único indivíduo, provavelmente do sexo masculino, portador de genes característicos do Oriente Médio, de onde São João Batista era originário.

Ao lado do sarcófago, os arqueólogos búlgaros também encontraram uma pequena caixa de tufo, uma rocha vulcânica, com inscrições em grego antigo mencionando explicitamente São João Batista.

O texto em questão pede a ajuda de Deus para “nosso servo Thomas”, que segundo certas teorias teria ficado encarregado de levar estas relíquias para a ilha búlgara.

A análise desta caixa revelou que ela seria, possivelmente, originária da Capadócia, uma região da Turquia.

Para os cientistas búlgaros, as ossadas provavelmente chegaram à ilha procedentes da Antióquia, cidade turca onde a mão direita de São João foi conservada até o século X.

Fonte: AFP