Aproveitando que o tema “fim de mundo” foi comentado recentemente por psicólogos e publicado aqui no blog, – Psicólogos explicam o fascínio pelas teorias do fim do mundoresolvi escrever umas linhas sobre o assunto. Não foi fácil, mas penso que isso precisava ser dito

(quase) Todo mundo adora uma profecia.

Falo isso mas não me excluo, sempre me interessei por esses assuntos. Tanto, que já falei disso outras vezes:

2012: A Profecia Maia

Nasa inicia cruzada contra os profetas do apocalipse

Fim dos tempos não acontecerá em 2012, diz Nasa

Erupções solares põem em risco astronautas e a Terra

Ausência de manchas solares intriga cientistas

Mas com esse post pretendo estimular um outro tipo de reflexão sobre o tema, especificamente a respeito dos boatos caóticos que se tornaram mais populares. É basicamente a minha opinião atual mais a tradução de um ótimo artigo de Stephen Wagner (que está no final desse post), editor do site About.com: Paranormal, do qual compartilho o mesmo ponto de vista (nesse e em outros assuntos).

A internet nos últimos anos está sendo bombardeada com informações de todos os tipos a respeito de Fim de Mundo. Depois do fiasco do (último) apocalipse no ano 2000 (Lembra??? Por favor, não esqueça. Teve suicídios coletivos e tudo!), com a proximidade do ano de 2012 e da conhecida Profecia Maia, o apocalipse volta para a literatura, cinema, jornais, internet e obviamente, para a boca do povo.

No Youtube praticamente não se fala em outra coisa. Os canais de documentários se apressam em criar especiais sobre o assunto. É quem mais pode para criar sites, escrever livros ou lançar uma nova “interpretação” para quadras de Nostradamus ou para a Profecia Maia.

"O fim"

As pessoas parecem ter mais medo de não acreditar nas profecias, do que de acreditar. Mas o que mais me preocupa nessa história toda, não são as interpretações de Fim de Mundo. Essas são mais velhas do que andar pra frente, e portanto nada surpreendentes. O preocupante é a constante associação com ideias espirituais/”esotéricas” (não as religiosas, essas sempre estiveram associadas a ideias de “fim de mundo” por motivos óbvios) que têm aparecido em meio a toda essa confusão. O que quero demonstrar com esse meu comentário, é como isso é contraditório e distante da verdadeira espiritualidade, além de promover um medo totalmente infundado. E, para não perder o hábito, não custa relembrar que os Maias NUNCA falaram em fim de mundo, somente em fins de ciclos… sim, porque já houve outros “fins”, mas o mundo continuou…

Quem acompanha o blog já deve ter percebido que aqui eu sempre parto da premissa de que a Consciência é que cria a realidade. Em termos práticos e mundanos, a sua mente está (re)criando o ambiente ao seu redor, o tempo todo (aqui não pretendo aprofundar ou expandir o tema com as diferenças evolutivas espirituais ou afins). Se algo parece igual para várias pessoas, por exemplo, é porque a realidade igualmente é um acordo. Em outras palavras, “é como é porque você assim acredita que seja”. E isso não quer dizer que não exista um mundo lá fora. É claro que existe. Mas não como você pensa que é… a sua mente está sempre se interpondo e interpretando o que vê. O que você percebe, o modo como você filtra a “realidade”, depende de inúmeros fatores, sendo o principal as suas crenças. É a mente que te dá a ilusão de tempo, de separação, dualidade etc. Mas principalmente, nós vemos o que esperamos ver, o que acreditamos que iremos ver. Por isso que a mente, se mal utilizada ou simplesmente largada no “piloto automático” pode ser tão perigosa…

Por essas e outras digo e repito o quanto for necessário: você ajuda mais os outros e o mundo, ajudando a si mesmo. As mudanças mais radicais da História da Humanidade (seja para o bem ou para o mal) foram provocadas por apenas um ser humano… ou estou mentindo?

Mas, para não parecer muita “loucura”, levando em conta que um eventual visitante apareça por aqui que não esteja familiarizado com essas ideias, e também para não fugir muito do assunto, vou dar um exemplo mais científico da reflexão que pretendo propor com esse post (os grifos são meus):

Durante vinte anos, a Organização da Meditação Trancendental havia sistematicamente testado, por meio de várias dezenas de pesquisas, se a meditação em grupo poderia reduzir a violência e os conflitos no mundo. O fundador da meditação transcendental, o iogue Maharishi Mahesh, afirmava que o estresse individual gerava o estresse mundial e que a calma do grupo gerava a calma no mundo. Ele postulou que  se 1% de uma região tivesse pessoas praticando MT, ou se a raiz quadrada de 1% da população praticasse MT-Sidhi, um tipo mais avançado e ativo de meditação, todas as formas de conflito, como os índices de mortes por arma de fogo e outros crimes, o consumo excessivo de drogas e até mesmo os acidentes de trânsito, diminuiriam. A ideia do efeito “Maharishi”, era que a prática regular da meditação transcendental possibilitaria que entremos em contato com um campo fundamental que liga todas as coisas, um conceito não muito diferente do Campo de Ponto Zero. Se um número suficiente de pessoas se dedicassem a essa prática, a coerência se revelaria contagiante em toda a população.

Embora a organização MT tenha sido ridicularizada, em grande parte por ter promovido os interesses pessoais do Maharishi, o valor dos dados apresentados por ela é irrefutável. Muitas das pesquisas foram publicadas por publicações de peso, como o Journal of Conflict Resolution, o Journal of Mind and Behavior e o Social Indicators Research, o que significa que elas tiveram que satisfazer os rigorosos critérios de avaliação. Uma pesquisa recente feita no National Demonstration Project, em Washington DC, conduzida durante mais de dois meses em 1993, demonstrou que quando o grupo local de Super-Radiância (o nome dado para o efeito pela organização da MT) aumentou para quatro mil pessoas, o índice de crimes violentos, que vinha aumentando regularmente nos primeiros cinco meses do ano, começou a declinar, para 24%, e continuou a decrescer até o final do experimento. Assim que o grupo se dispersou, o índice de criminalidade voltou a subir. A pesquisa demonstrou que o efeito não poderia ter sido causado por variáveis como o tempo, a polícia ou qualquer campanha especial contra o crime.

Outra pesquisa realizada em 24 cidades americanas mostrou que sempre que uma cidade atingia um ponto em que 1% da população estava praticando MT com regularidade o índice de criminalidade caía para 24%. Em uma pesquisa suplementar realizada em 48 cidades, em metade das quais 1% da população meditava, as cidades onde isso acontecia alcançaram uma redução de 22% no índice de criminalidade, em comparação com o aumento de 2% nas cidades que serviram como padrão de comparação. Também houve uma redução de 89% na tendência da criminalidade, em comparação com um aumento de 53% nas cidades do grupo de controle.

Bem, alguém pode pensar… será que esses efeitos poderiam ser observados a nível mundial ou algo do tipo? Pois veja:

A organização da MT pesquisou até mesmo se as meditações em grupo eram capazes de influir na paz mundial. Em uma pesquisa sobre uma reunião especial da MT em Israel que acompanhou o conflito dia-a-dia durante dois meses, nos dias em que o número de meditadores era elevado, as baixas no Líbano diminuíam em 76% e a criminalidade local, os acidentes de trânsito e os incêndios declinavam. Nesse caso também, influências que poderiam interferir no resultado, como as condições atmosféricas, os fins de semana ou os feriados, tinham sido levadas em conta.

(excertos retirados do livro “O Campo – em busca da força secreta do Universo“, da jornalista Lynne McTaggart)

As pesquisas acima, como podemos ver, demonstraram o efeito benéfico não somente da meditação sobre o meditador, mas do poder que a paz interior – alcançada pela meditação – de indivíduos unidos em torno de um propósito, pode ter sobre situações ou pessoas além deles… A calma de um grupo é a calma do mundo. Ou, o estresse de um grupo é o estresse do mundo… O estado mental ou de espírito de uma pessoa, influencia outras, desde que seja constante. Os efeitos da influência são diretamente proporcionais ao número de pessoas engajadas em torno de uma ideia, crença, sistema ou prática.

Mas o que tudo isso tem a ver com teorias apocalípticas? Bem, basicamente, não adianta falar de iluminação, consciência, evolução espiritual, chakras, meditação e pregar Fim de Mundo…(como frequentemente vemos acontecer) não se você realmente compreende que tudo é Consciência, que somos seres espirituais vivendo uma vida terrena, e que só existe escassez e sofrimento para a mente humana (e consequentemente, em sua realidade); então tudo invariavelmente adquire outra perspectiva. Portanto, ao promover ideias catastróficas como se fossem verdades inevitáveis você não contribui em NADA para o seu bem-estar, muito menos influi beneficamente no bem-estar coletivo. Faz sentido?

E, digamos que  fosse para o mundo acabar mesmo, independente de tudo o mais ( não posso dizer que é impossível)… o que você vai fazer afinal?  Ficar perdendo tempo especulando como será ou quando, muda alguma coisa? Como???

"O fim" 2

Certamente 2012 será o “fim do mundo” para muita gente… Para outras será 2011…2013… hoje… outros daqui a 50 anos. Quem sabe?

Para finalizar o meu comentário, um vídeo de Esther Hicks, canalizando Abraham, falando exatamente sobre isso:

http://www.youtube.com/watch?v=sB3V8MwcdjU

Abraham-Hicks – Fala sobre 2012

(…)

E agora, vamos ao artigo prometido no início do post, que assino embaixo!

Ahhhh e não esqueçam… “a Karina contou primeiro!” 😉

>>> Piadinha inspirada no filme “2012” de Roland Emmerich; quem viu o filme entende!<<<

+++

Será que Nostradamus concorda com o Calendário Maia, sobre uma mudança próxima?

por Stephen Wagner (traduzido por Karina -InconscienteColetivo.net)

Nostradamus

O canal History Channel tem transmitido um documentário de duas horas sobre as Profecias de Nostradamus e como elas podem estar relacionadas com 2012. É mais uma na pilha crescente de informações, teorias, medos, avisos, iluminação e ansiedade sobre o ano 2012, então talvez seja a hora de eu dar minha opinião.

Eu nunca dei muito crédito para a suposta Profecia Maia de que 2012 marcará o fim do mundo, o fim de uma era ou qualquer outra coisa que você queira ver nisso. Quero dizer, já não passamos por isso inúmeras vezes? Alguns preveram que 5 de Maio de 2000 como dia do juízo final porque os planetas estavam num alinhamento desigual. Então houve a histeria por causa do Milênio e Y2K (o “bug do milênio”). E é claro, vários cultos religiosos nomearam data após data em que o mundo certamente acabaria, sendo que todas elas chegaram e passaram sem grandes comoções.

Com 2012 não será diferente. Sim, o assunto está vendendo um monte de livros, atraindo grandes audiências para programas de rádio e dando muitas visitas para websites, mas acredito que esse será o máximo de drama que conseguiremos de 2012. Esse ano também chegará e passará sem uma grande mudança no planeta. Todos nós já não sabemos disso?

Aqueles que promovem as mudanças de 2012 já lançaram uma vasta variedade de possibilidades do que pode acontecer – tudo desde literalmente o fim do mundo, à reviravoltas sociais, econômicas, políticas e climáticas dramáticas; até “despertar espiritual”, o que, certamente, pode significar praticamente qualquer coisa.

POR QUE 2012?

calendario_maya

E no que isso é baseado? Primariamente, é baseado no antigo calendário Maia de “conta longa”, entalhado em pedra, que de acordo com os cálculos termina em 21 de dezembro de 2012, e marca o fim de uma era de 5.126 anos. Sem dúvida, os antigos maias eram matemáticos e astrônomos notáveis, mas podemos levar essa “profecia” a sério?  Primeiro de tudo, não é nem mesmo uma profecia. Acontece de ser quando o calendário deles acaba. Por que isso deveria ter qualquer significado para nós?

A segunda razão dita pelos proponentes desse apocalipse iminente é a de que em 2012 haverá um alinhamento de algum tipo com o centro de nossa galáxia. Porque a Terra movimenta-se devagar conforme rotaciona (uma vez a cada 26.000 anos) o sol irá parecer erguer-se em alinhamento com o centro da Via Láctea. Interessante, sim, mas parece não haver qualquer evidência cosmológica de qualquer tipo de que isso terá um efeito em nosso planeta, fisicamente, socialmente ou mesmo espiritualmente.

A terceira razão exaltada é a de que o sol está programado para estar em um período “solar máximo” naquele ano, um tempo em que manchas solares e explosões solares estarão muito ativas. Esse tipo de atividade realmente pode causar problemas. Esse tipo de atividade pode desativar e prejudicar satélites e pode ter um efeito dramático no clima da Terra. A data se baseia em padrões passados dessa atividade, mas nós não temos nenhum jeito de saber se irá ocorrer em 2012, e se acontecer, o quão severo poderá ser.

INTERPRETAÇÕES FORÇADAS

Voltando ao documentário sobre Nostradamus por um momento. Como sempre, os especialistas em Nostradamus citam uma seleção de suas quadras – aquelas que apresentam fome, pestilência, guerra, etc – e as comprimem para servir em 2012. Não de forma bem-sucedida, na minha opinião. O mundo sempre esteve atormentado por fome, pestilência, guerras e todo o resto, e eu não vi nenhuma quadra que mesmo remotamente indicasse que o que Nostradamus estava falando era sobre o ano 2012.

Deixando de lado as quadras, o documentário se foca principalmente no assim chamado “Livro Perdido de Nostradamus”, que foi descoberto em uma biblioteca moderna em Roma, em 1994. Datando de 1629, o manuscrito, repleto de brilhantes figuras aquareladas, está entitulado “Nostradamus Vatinicia Code” e possui dentro o nome Michel de Notredame como o autor. Primeiro de tudo, apesar de que alguns pensam que esse “livro perdido” seja o trabalho de Nostradamus, não há prova definitiva ou consenso dos eruditos de que ele foi mesmo o autor; alguns especialistas têm sérias dúvidas. Então, utilizar esse livro como plataforma para esse documentário o coloca em terreno duvidoso.

nostradamus-lost-book

E então, os graus que os consultores do programa atingem e forçam para conectar as figuras com 2012 foi certamente absurdo. Por exemplo, o desenho de uma espada segurada com a ponta para cima, ao seu redor laçada com uma bandeira ou pergaminho (veja a ilustração acima) – isso foi interpretado como o alinhamento solar com o centro da galáxia em 2012. Sério?  As outras figuras foram distorcidas e deformadas do mesmo modo para se encaixarem nas interpretações necessárias para o argumento. Todos nós sabemos que podemos pegar tais figuras enigmáticas – e quadras – e interpretá-las de forma a se encaixarem virtualmente em qualquer cenário que desejarmos.

ENTÃO, O QUE IRÁ ACONTECER?

Por que algumas pessoas estão obcecadas com 2012 (a despeito dos apelos de marketing)? Por que estão obcecadas com o apocalipse e o fim do mundo? Por que sempre parece que o fim está logo ali na esquina?

Eu penso que a resposta seja de nós tanto temermos como desejarmos uma grande mudança. Por mais maravilhoso que o mundo possa ser, ele é, como notado anteriormente, continuamente atormentado por guerras, dificuldades econômicas, fome e mudanças climáticas. Essas coisas não são novas. São problemas contínuos que vão e vem no planeta. Apesar de temermos que irá ficar pior (e certamente pode ficar pior), ao mesmo tempo nós temos a esperança de que irá melhorar. Nós tememos as catástrofes de um apocalipse, e no entanto esperamos pelo despertar espiritual que irá nos salvar de nossa própria natureza humana.

Eu não sou nenhum Nostradamus, mas aqui vai a minha previsão para 2012: o mundo continuará bem parecido como era no passado. Não haverá nenhum problema medonho e haverá grandes alegrias. Talvez alguns problemas possam ficar um pouco piores do que são agora, mas não haverá nenhuma catástrofe de destruição da Terra. Se há um despertar espiritual, ele não será em uma escala planetária ou de massas, através de algum milagre não-especificado, como alguns esperam, ele será em indivíduos. (Mas isso não tem nada a ver com 2012). O máximo que podemos chutar é que, como indivíduos, nós façamos o nosso melhor de modo a fazer os nossos pequenos fragmentos da Terra, lugares melhores. Esse foi sempre o caso, e sempre será.