“Na vida, tudo é um risco. Tudo é um risco. Não fazer nada também é um risco.”

(Osho)

“A maioria consiste de tolos, tolos absolutos. Fique alerta com relação à maioria.
Se muitas pessoas estão seguindo alguma coisa, isto é prova suficiente de que é uma coisa errada.
A verdade acontece aos indivíduos, não às multidões.”

(Osho)

Pessoas “normais” não fazem História.

Existe um grande desejo – um desejo desesperado -, da maioria das pessoas, de se “encaixar”, de ser “aceito”; e isso normalmente quer dizer “ser como todo mundo é”. Fazer o que todo mundo faz, não questionar muito as tradições (sejam elas religiosas, sociais, culturais).

Nós criamos conceitos do que é uma “vida feliz”, do que é “se divertir”, de como se deve viver “corretamente” e pensamos que isso serve para todos. Mal nos damos conta de que estamos realmente apenas de passagem aqui nessa existência, e levamos nossa vida como “mais um” na multidão.

Metaforicamente, a maioria das pessoas vive no nível dos dois primeiros chakras. A única preocupação é trabalhar ($$$), comer e conseguir sexo (“amor” no sentido popular). Uma minoria vive no terceiro chakra, e um quase nada de pessoas no quarto (uma Madre Teresa de Calcutá da vida)… dos outros é melhor nem comentar…

Mas, se já não bastasse a maioria de nós levar uma vida carente de significado (não significado pros outros, mas pra si próprio), esquecemos que não seremos os únicos a passar por esse planeta, que outras pessoas vieram antes de nós e outras irão vir depois, e simplesmente não nos importamos em deixar uma marca significativa. Mesmo podendo observar que a maioria é esquecida depois que se vai…

Como eu um dia li, “a maioria das pessoas morre com sua música ainda nelas“.

E penso que o maior risco que alguém pode correr na vida é o de não fazer nada. Se pensarmos que a expectativa média de vida gira em torno dos 70 e tantos anos, meu deus, o que são 70 anos??? Como é que alguém pode perder esse pouco tempo estimado de vida com as bobagens que normalmente as pessoas se preocupam?

E mesmo que você  acredite em reencarnação, essa vida que você possui nesse momento, esse momento em si, é único, não se repete. Mesmo que você retorne para essa existência, será outro corpo, será outra vida.

Particularmente, não tenho medo da morte… o que me preocupa é maneira como vou encontrá-la. E isso não se refere apenas a um “modo de morrer” – se por doença, acidente, etc. Mas sim, o que eu vou deixar depois que partir e o que vou levar daqui.

E já que estou falando do que se deixa e o que se leva da vida, eis um sutra de Buda, com um pequeno comentário do Osho:

Você é como a folha amarela.

Os mensageiros da morte estão à mão.

Você tem de viajar para longe.

O que você levará consigo?”

(Dhammapada de Gautama, cerca de 500 a. C)

Pó virando pó, a qualquer momento a morte vai tomar posse de você. O amanhã pode não chegar jamais, nem o próximo momento é certo. Este é o único momento do qual você pode estar certo; no seguinte, você pode não estar mais aqui. O que você está fazendo para se preparar para essa grande jornada rumo ao desconhecido? Você ganhou alguma coisa que possa levar com você? Se não ganhou nada, então sua vida foi puro desperdício. Você pode ter acumulado muita riqueza, você pode ter se tornado muito famoso, mas tudo isso é fútil. Você não pode levar isso com você. Suas graduações, seus títulos, seus prêmios, tudo ficará para trás. Você irá completamente sozinho.

Há algo que possa levar com você?

Há somente uma coisa que você pode levar consigo, e essa é a verdadeira riqueza. Buda a chama de meditação, atenção, observação, cuidado, consciência. Se você se tornar cada vez mais consciente, você poderá levar essa consciência com você.

Então nesse post eu trago um novo vídeo de Osho em que ele comenta esse estranho comportamento geral de existir como se estivesse numa sala de espera, fazendo qualquer coisa, apenas para matar o tempo até o trem chegar… sabe? 😉

Osho – Não use esse planeta como uma…

“Preocupe-se em adicionar mais vida aos seus dias,

não mais dias à sua vida.”