Quanto mais responsável você é, mais livre também é. Se você pensa que liberdade é não ter responsabilidades, o que você está realmente pensando é em “libertinagem”. O único caminho para se tornar livre é pelo comprometimento consigo mesmo. E esse comprometimento só é possível em pessoas que se responsabilizam pelos seus atos. E é sobre esse assunto, o texto abaixo, de Osho, traduzido por mim. É o meu preferido…

+++

“Esta é uma das questões perenes da humanidade: a questão da liberdade e da responsabilidade. Se você é livre, você a interpreta como se agora não houvesse responsabilidade.

Há somente cem anos atrás Friedrich Nietzsche declarou: “Deus está morto, e o homem está livre. E na próxima sentença ele escreveu, “Agora você pode fazer o que quiser. Não há mais responsabilidade.”

Nesse ponto ele estava absolutamente enganado, quando não há nenhum Deus, há uma tremenda responsabilidade sobre nossos ombros. Se existe um Deus, ele pode compartilhar sua responsabilidade. Você pode jogar sua responsabilidade Nele: você pode dizer, “Foi você quem criou o mundo; foi você quem me criou deste jeito; é você quem é, finalmente, responsável, não eu. Como eu posso, enfim, ser o responsável? Eu sou apenas uma criatura, e você é o criador. Por que você colocou sementes de corrupção em mim e sementes do pecado desde o começo? Você é responsável. Eu sou livre.”

Na verdade, se não há nenhum Deus, o homem é absolutamente responsável por seus atos, porque não há nenhuma outra maneira de jogar a responsabilidade em qualquer outra pessoa. Quando eu digo para você que você é livre, eu quero dizer que você é responsável. Você não pode jogar a responsabilidade em mais ninguém, você está sozinho. E tudo o que você fizer, é você que está fazendo. Você não poderá dizer que alguém o forçou a fazer algo – porque você é livre; ninguém pode forçá-lo a nada. Porque você é livre, é sua a decisão de fazer alguma coisa ou não fazer nada.

Com a liberdade vem a responsabilidade. Liberdade é responsabilidade. Mas a mente é muito esperta, a mente interpreta isso do seu jeito: ela sempre dá ouvidos somente ao que quer ouvir. Ela vai interpretando as coisas à sua maneira. A mente nunca tenta entender o que é realmente a verdade. Ela já tomou a sua decisão.

Ouvi dizer….

“Eu sou um homem respeitável, doutor, mas ultimamente a minha vida tem se tornado intolerável por causa dos meu sentimentos de culpa e auto-recriminação.” O paciente engasgou antes de continuar. “Você vê, recentemente eu tenho sido vítima de uma vontade incontrolável de beliscar e acariciar meninas às escondidas.”

“Meu caro,” reprovou compreensivo o psiquiatra, “nós realmente devemos ajudá-lo a se livrar desse impulso impróprio. Eu consigo imaginar quão penoso…”

O paciente interrompeu em aflição, “Não é tanto do impulso que eu quero que o senhor me livre, doutor, é da culpa.”

As pessoas continuam falando sobre liberdade, mas não é liberdade o que elas querem exatamente, elas querem irresponsabilidade. Elas pedem por liberdade, mas no fundo, inconscientemente, elas pedem por irresponsabilidade, abuso de liberdade. Liberdade é maturidade; licenciosidade (abuso da liberdade) é muito imaturo. A liberdade só é possível quando você está tão integrado que você pode ter a responsabilidade de ser livre. O mundo não é livre porque as pessoas não estão amadurecidas.

Revolucionários têm feito muitas coisas ao longo dos séculos, mas tudo falha. Utópicos têm continuadamente pensado em como libertar o homem, mas ninguém se importa – porque o homem não pode ser livre a menos que ele seja integrado.

Somente um Buddha pode ser livre, um Mahavira pode ser livre, um Cristo, um Maomé pode ser livre, um Zarathustra pode ser livre, pois liberdade significa que o homem agora está consciente. Se você não está consciente então o Estado é necessário, o governo é necessário, a polícia é necessária, o tribunal é necessário. Então a liberdade tem que ser cortada de tudo. Então a liberdade existe somente como um nome; de fato ela não existe. Como pode a liberdade existir quando os governos existem? – Isto é impossível.

Mas o que fazer? Se os governos desaparecerem, somente haverá anarquia. A liberdade não virá com o desaparecimento dos governos, haverá somente anarquia. Será um Estado pior do que é agora. Seria a mais pura loucura. A polícia é necessária porque você não está alerta. Caso contrário, qual é o objetivo de se ter um policial parado num cruzamento? Se as pessoas fossem alertas, o policial poderia ser removido; teria que ser removido, pois seria desnecessário. Mas as pessoas não são conscientes.

Portanto quando eu digo ‘liberdade’, eu quero dizer responsável. Quanto mais responsável você se tornar, mais livre você será; ou, quanto mais livre você é, mais responsabilidade você terá. Então você terá que estar muito alerta quanto ao você faz, ao que você está dizendo. Até mesmo sobre os seus menores gestos inconscientes você terá que estar muito alerta – pois não há ninguém mais no seu controle, é só você. Quando eu digo para você que você é livre, eu quero dizer que você é um Deus. E isto não é licenciosidade, é tremenda disciplina.”