Gente, esse post é pra rir. Juro. Não dá pra assistir ao vídeo sem dar boas risadas. Talvez muitos tenham assistido a essa matéria no Fantástico (é relativamente antiga). Como eu não acompanho esse programa, enviaram para mim o vídeo desse pedreiro, auto-intitulado pastor, que fundou a sua própria igreja, e alega que está na Bíblia que adultério é permitido.

O Youtube está povoado de vídeos do gênero, com os maiores absurdos propagados por igrejas (na esmagadora maioria evangélicas neo-pentecostais). Tem que rir pra não chorar. É inacreditável. É pastor vendendo “sabonete de arruda”, “água do rio Jordão”, “cajado de Moisés” e as maiores loucuras imagináveis. Os seres humanos saíram da Idade Média, mas a Idade Média parece não ter saído da maioria dos seres humanos. Estamos a um passo de voltar às Cruzadas (opa… ou talvez elas nunca realmente acabaram…) e à Inquisição. A venda de indulgências pelo menos, é um mercado que só cresce… 😉

Eu já havia comentado em outros posts, com especial atenção a um sobre os Evangelhos Apócrifos, como os textos que chegaram a compor a Bíblia atual foram deturpados, traduzidos sem critérios de ética ou esvaziados de seu contexto histórico, e escolhidos em meios a inúmeros outros textos de maneira bizarra, pra dizer o mínimo. Pra resumir, a Bíblia que temos hoje é apenas uma pálida, tímida aproximação daquilo que realmente está escrito nos tais “evangelhos canônicos”. Porque o que realmente separa os Evangelhos Canônicos dos Apócrifos é a opinião de alguns bispos católicos bem suspeitos em 325 d.C (sim, data do famigerado primeiro Concílio de Nicéia). Aparentemente esses bispos sabiam o que “Deus preferia”.

***Um minuto de silêncio para um suspiro seguido de um sorriso sarcástico***

Tá. Qualquer pessoa que tenha um mínimo de conhecimento real sobre a Bíblia sabe que o Antigo Testamento é uma compilação de textos de vários outros povos (babilônicos, sumérios etc) mais textos e lendas dos hebreus. O que todos esses textos retratam, nada mais é do que os costumes e pensamentos de até 5.000 anos atrás. E, não sei se é só minha impressão, mas o mundo mudou um MONTE desde a época que esses textos foram escritos. A ponto de a Bíblia simplesmente só servir como uma literatura histórico-mitológica que retrata alguns períodos de um determinado povo, num determinado local, numa determinada época. O mesmo vale para o Novo Testamento, que foram textos arbitrariamente escolhidos, modificados e traduzidos visando os objetivos obscuros de determinados homens. Estudos históricos e pesquisas científicas já concluíram que em todo o Novo Testamento há somente 6 frases (na melhor das hipóteses) que realmente foram ditas por Jesus. O resto, é tudo criação, interpretação ou imaginação de terceiros. Então é muito estranho ver todo esse bafafá em relação ao que “Bíblia diz” ou o que “está na Biblía”, ou pior ao que “a Bíblia permite ou não”.

Há uns anos atrás, eu vi num desses programas de auditório de quinta categoria, um entrevistador perguntando a uma senhora se ela doaria seus órgãos. Foi bem na época que iria aparecer na carteira de identidade se a pessoa era doadora ou não. Pois bem, a tal senhora respondeu que “nunca”. O apresentador, obviamente chocado com a resposta dela perguntou o porquê. Ela disse que era Testemunha de Jeová, e que na Bíblia não havia nada a respeito de doar órgãos. Sim. Isso aconteceu. Ao vivo num programa de televisão. Acredite, eu jamais inventaria uma loucura dessas. (risos)

TÁ. Então, seguindo o raciocínio de pessoas como ela, que só fazem o que a Bíblia diz ou não (!!!), eu gostaria de lembrar que na Bíblia não há menções a computadores… nem a microondas… nem a ferro de passar, máquina fotográfica, aspirina, shampoo, jeans, cotonete, televisão, programa de auditório, água encanada, telefone, celular, ventilador, relógio, salto alto, sutiã, dentadura, pasta de dente (pra quem não sonha em usar dentadura na velhice), futebol, guarda-roupa, cinema, gilete, nescau, poodle, mini poodle, micro poodle toy, gravata, vacina, hospital, miojo, fogão, gás, ar condicionado, Sílvio Santos, DVD, edredon, Caminho das Índias, caneta, lápis de cor, rímel, errr…. Brasil. Sim, nem o Brasil está na Bíblia. Bem. Não sei se é eu, mas acho que isso limita muuuuuuito as coisas. Seguindo o raciocínio dela, o ideal é ser Amish. Ou voltar pras cavernas mesmo. E criar ovelha.

Enfim. Concordo com Einstein quando ele diz,

“Até o universo tem limites. Somente a ignorância humana é ilimitada.”

Como faz falta aulas de religião e mitologia comparadas nos currículos escolares… ai ai…

Vamos ao “brilhante” pastor: