Seguindo o caminho iniciado ontem, com o post “Como você usa a sua Mente?”, traduzi um trecho do capítulo dedicado ao Pilar Mental, por James A. Ray, em seu livro “Harmonic Wealth“. O título do texto é o título deste post, “Alimentando a sua mente maravilhosa”, e fala sobre como perdemos tempo alimentando a nossa mente com informações inúteis, desgraças, negativismos, e como a TV é a maior inimiga da mente saudável e próspera. Da mesma forma que nos EUA, o brasileiro passa uma boa parte do seu dia (e conseqüentemente da sua vida) em frente a TV, aceitando passivamente conteúdos vazios, que não agregam valor algum à sua vida ou ao seu crescimento pessoal. Não que absolutamente tudo o que passa na televisão seja lixo, apenas boa parte (rs), mas é preciso saber dosar o tempo que se perde frente a ela e ser mais criterioso quanto à qualidade da programação a que se assiste. O seu tempo é mais importante do que você pode imaginar. É como dizia Bob Marley, “O que faço hoje é importante, porque estou trocando um dia da minha vida por isso.” E vamos ao James:

+++

Conforme você começa a buscar maneiras de fortalecer as suas inteligências naturais, você precisará encontrar os recursos especializados que irão nutrir a incrível máquina que você possui entre suas duas orelhas. Mas primeiro, vamos preparar você para receber estes novos dons modificando o cuidado e a alimentação da sua mente maravilhosa.

A sua mente é o maior presente dado a você pela fonte criativa. É o que diferencia você de qualquer outra entidade neste planeta. Com o que você a está alimentando?

As estatísticas nos dizem que 85% das famílias norte-americanas não compraram nem um livro de não-ficção ano passado (2006), nem um. Se isso o impressiona, então aqui vai algo ainda mais impressionante: noventa porcento daqueles que compraram um livro não o leram! Boas intenções, talvez. Pouca força de vontade, definitivamente. Mesmo assim, durante este mesmo período, nós gastamos U$85 bilhões em filmes, com televisões ligadas nos lares dos EUA em média seis horas e quarenta minutos por dia.

“Mas James”, você pode me dizer, “isso não é verdade na minha casa”. Eu peço que você seja honesto e adicione as horas que a TV está apenas ligada, como som de fundo, ou com que freqüência você fica virando de canal no controle “só para ver o que está passando”. Compare isso com o quanto você lê. Eu nunca encontrei um grande empreendedor/realizador que tivesse um grande período de tempo para sentar em frente da droga que se pluga na tomada. Existem coisas boas na TV? Claro. Eu ocasionalmente assisto TV. Mas eu sou seletivo quanto ao que eu assisto; eu não fico virando de canal. Eu sou cuidadoso quanto ao quando eu assisto. Não durante o jantar, quando a nossa oportunidade de nos conectar com as pessoas amadas e compartilhar um pouco de nós mesmos está no seu pico. Não como uma forma de me evitar, quando sentir os meus sentimentos seria a opção mais saudável. Definitivamente não antes de ir dormir, quando as fitas de sofrimento e violência que eu assisti no noticiário da noite ou em uma novela de uma hora ou filme, irão tocar no meu inconsciente a noite toda.

Eu fico apavorado com a quantidade de programas “sugadores de almas” que estão disponíveis de manhã, meio-dia e à noite. Pense em todo o lixo televisivo que frivolamente nos encoraja a invejar celebridades ( Eu quero isso…) ou que nos faz torcer ou alegrar-se com sua inevitável decadência (Eu quero aquele que tem aquilo para fracassar) . Mesmo o mais inteligente e bem projetado “Reality Show” é somente outro pacificador pegajoso, nos mantendo quietos no sofá, encarando o vazio ao invés de criando as nossas próprias realidades com as nossas mentes maravilhosas. Talvez nós adoremos ver as confusões dos realities shows por que as nossas vidas são tediosas ou talvez isso nos faça sentirmos melhores com relação às nossas próprias confusões. “Talvez a minha vida não seja tão ruim assim, no final das contas“, nós pensamos. Tanto da televisão é só fofoca, “te peguei”, “compre isso”, e “vá se ferrar”. Se você está se perguntando se é tão inteligente quanto uma criança da quinta série, a que ápice de inteligência você realmente aspira? Se você está sentado sobre a sua própria bunda assistindo um show sobre ganhar um milhão de reais, eu garanto a você que você nunca irá criá-los. Quando a sua vida se torna entusiasticamente inspirada, o maior, mais empolgante, e divertido reality show pode ser somente o reality show da sua própria vida.

Mostre-me os seus resultados, e em quinze minutos ou menos, eu posso te dizer como você tem usado a sua mente. Não importa o que você me disser, seja o que for que você estiver colocando na sua mente com regularidade, está dirigindo os seus pensamentos, sentimentos, emoções e ações. Se você está colocando lixo ou energia limitada na sua mente, você irá produzir resultados e energia limitada. Isso aparece nos seus resultados, nos seus relacionamentos, nas suas finanças, na sua saúde, no seu físico – em todo lugar.

Se você olhar os estudos socioeconômicos das famílias de baixa renda, você irá encontrar em suas casas talvez alguma revista/tablóide ou a Bíblia. Vá para uma família de classe-média e você irá encontrar alguns livros no banheiro (isso é conhecido como biblioteca em muitos lares), talvez alguns mais em outro lugar, com uma revista brilhosa de fofocas na sala. Mas o que você pensa que irá encontrar em uma casa de uma família de alta renda? Uma biblioteca – de verdade. Como eu já disse, este é o recinto mais precioso da minha casa, tanto que o mantenho trancado.

A pergunta é: o status socioeconômico que traz a biblioteca ou a biblioteca que traz o status? Eu garanto a você que é a segunda opção. Pobreza não é somente dinheiro ou educação, mas um estado mental. Pense na Oprah* (*apresentadora de TV americana que teve uma infância muito pobre e que hoje é uma das mulheres mais ricas e bem-sucedidas do mundo) que lia vorazmente muito antes de poder comprar prateleiras cheias de livros. Todos os líderes são grandes leitores. Se você não lê, você pode também ser um analfabeto. Mark Twain disse, “O homem que não lê bons livros não é melhor do que o homem que não consegue lê-los.”, palavras sábias de um do mais sábios e adorados – sem mencionar rico – homens daquele tempo. Se você não tem como comprar o último título da sua área, tem sem sempre a biblioteca pública mais próxima.

Você nunca irá crescer assistindo aos noticiários ou lendo tablóides (publicações de fofocas). Há um lugar e tempo para essas coisas? Talvez. Você pode precisar estar informado em quanto os desenvolvimentos afetam o seu negócio e o seu mundo, mas você não precisa ser inundado com isso. Existe uma grande diferença entre procurar pelas notícias relevantes e se banquetear com macabras histórias de assassinato, mutilação, e fofoca. Lembre-se, há somente duas coisas que você pode fazer com seu poder mental no que diz respeito ao tempo: Gastá-lo ou investí-lo. Tempo gasto (ou desperdiçado) se vai para sempre. Tempo investido (na forma de aprendizado) cria uma anuidade vitalícia.