“…eu não uso mais o antigo mote ‘Penso, logo existo’ prefiro usar ‘Escolho, logo existo‘.”

Amit Goswami (Físico Nuclear)

Continuando o post “Tudo é Energia. Inclusive Você!“, transcrevo aqui um capítulo do livro Prosperidade Harmônica (de James A. Ray) em que ele explica porque a física quântica tem tudo a ver com a lei da atração. Para entender melhor os conceitos apresentados sobre o tempo e a realidade (que James menciona no texto), recomendo dar uma olhada nos documentários: “Você sabe que horas são?” e “Universos Paralelos“.

+++

Há um conceito na física quântica chamado tempo vertical. Einstein afirmou que o tempo não existe como o conhecemos: “Para nós, físicos sérios, a distinção entre o passado, o presente e o futuro é apenas uma ilusão, mesmo sendo uma ilusão obstinada”. O tempo, o futuro, o passado e o presente coexistem simultaneamente neste momento. Temos a tendência de achar que o tempo é horizontal: o passado está atrás de nós, o futuro está na frente e ele avança dessa maneira seqüencial em eterna expansão. Se o tempo estivesse escrito como uma linha em uma página, da esquerda para a direita, nós diríamos (pelo menos na cultura ocidental) que o passado está à esquerda e o futuro, à direita.

Mas no caso do tempo vertical, veja se você consegue imaginar que está colocando uma linha em uma folha de papel que representa o agora, logo acima escrevendo “agora”, e acima disso outro “agora”, e assim por diante em uma linha vertical. “Agora, agora, agora, agora, agora, agora…” entra em todas essas diferentes dimensões.

Alguns físicos apresentaram a teoria-M (M corresponde a “membrana” ou “mágica”), que diz que há pelo menos 11 dimensões que existem simultaneamente. No contexto do tempo vertical, isso significa que todos os nossos “agoras” subiriam e desceriam através de pelo menos 11 dimensões diferentes.

Uma das leis fundamentais da física afirma que a energia não pode jamais ser criada ou destruída, ela meramente passa de uma forma para outra. Ok, agora continue comigo… primeiro temos o tempo vertical, depois a teoria dos Mundos Múltiplos, de Everett-Wheeler-Graham (Interpretação dos Mundos Múltiplos). Complicado, certo? Basicamente o que essa teoria reenfatiza é que há múltiplos “agoras”, universos ou existências, todos coexistindo ao mesmo tempo. Tudo que já existiu ou pode existir já está aqui. O físico quântico John Wheeler postula que, ao decidir o universo (agora) que escolhemos observar, estamos essencialmente escolhendo a nossa realidade, decidindo “participar” do universo da nossa escolha. De acordo com essa teoria, neste exato momento poderia haver um universo no qual você é um multi-milionário. Neste exato momento, poderia haver um universo no qual você tem um corpo perfeito e o parceiro dos seus sonhos. É você que escolhe (ou não) através do seu ato de intenção e atenção. A energia flui para onde vai a atenção. Ao escolher a sua intenção, e depois firmando a atenção nela, você escolheu (e continua a escolher) participar de seja qual for o universo do qual está participando no momento. Qual deles você está escolhendo? E mais importante ainda, qual deles você irá escolher?

Pense no seguinte: todas essas teorias sugerem que você existe simultaneamente em muitas formas, dimensões e tempos diferentes – você está em toda parte e em nenhum lugar, exatamente como você quer e não quer ser. Sei que isso é estonteante. A teoria das múltiplas realidades foi exemplificada no filme De caso com o acaso, com Gwyneth Paltrow. Em uma das realidades, Helen, interpretada por Gwyneth, pega o metrô no último minuto, conhece um homem chamado James, chega em casa e encontra o namorado traindo-a com a ex-namorada; ela termina com o pilantra e passa a sair com James. Na outra realidade, Helen perde o metrô, é assaltada, hospitalizada e, quando finalmente chega em casa, encontra o namorado sozinho no chuveiro. Sem ter conhecimento da infidelidade do homem, ela permanece presa a um relacionamento infeliz. No filme, as duas realidades avançam então paralelamente, com flashes de uma para a outra. O que eu mais gosto a respeito dessa teoria do universo paralelo é que não estamos criando absolutamente nada. Deus criou tudo. O Campo de Ponto Zero o criou, e nós escolhemos intervir.

O que toda teoria da física quântica tem em comum é você, observador e participante. Com a sua intenção claramente definida aliada à sua constante e inabalável atenção, você escolhe o mundo do qual vai participar.

Entenda que o seu desejo adequadamente compreendido não é ganância, nem mesmo chega perto disso; é o seu Eu Superior que o chama, estimula e desafia a ascender a um nível mais elevado de realização.

Desejo versus Fantasia

Se você examinar a origem latina da palavra desiderato (desejo), verá que ela se desmembra como “de-siderium”, que significa literalmente “das estrelas ou corpos celestes”. Como já discutimos, quando você tem desejo de alguma coisa, quem está falando é o seu Eu Superior, estimulando-o e querendo que você cresça. Entenda que o seu Criador não quer que você tenha supérfluos e outros bens. O seu Criador não quer que você faça certas coisas. O seu Criador quer que você se torne a pessoa necessária para ter e fazer essas coisas. Em outras palavras, o seu Criador quer que você cresça, que tente alcançar as estrelas.

Lembro-me de anos atrás ter ouvido um dos meus mentores dizer: “Tome a decisão de ser um milionário, não pelas cédulas verdes, mas por quem você terá que se tornar para chegar lá.” É isso que estamos fazendo juntos – expandindo quem você é em todas as áreas fundamentais da sua vida para que você possa crescer e se tornar uma pessoa capaz de criar tudo o que deseja. O que o seu eu espiritual realmente deseja não é o alcance da meta, mas sim o crescimento que acompanha o processo.

Garanto que você jamais “receberá” um desejo, um verdadeiro desejo de algo que não é capaz de conseguir. Quando você tem um verdadeiro desejo, o seu Eu Superior está dizendo: Vamos lá, você é capaz disso; é isso  que eu tenho reservado para você. É o seu eu maior, mais grandioso, que está ecoando de trás para diante no tempo. Não é legal? Agora a única pergunta é: você vai atender ao chamado? O grande mitólogo Joseph Campbell declarou: “A principal questão é se você vai ser capaz de dizer um vigoroso sim à sua aventura.” Bem, o que será?

Muitas pessoas me dirão: “Bem, isso não é verdade, James, porque eu tinha o desejo de ser um jogador profissional de basquete e nunca consegui.” Eu respondo: “Não, você tinha era esperança ou uma fantasia, o que é diferente.” Se você realmente tem o desejo de fazer uma coisa, existem apenas duas razões para que não consiga: 1) você não permaneceu com o desejo por um tempo suficiente e desistiu ou 2) você não acredita em si mesmo, e por conseguinte, nem mesmo tentou… ou fez um esforço parcial. Qualquer outra coisa, e não era um verdadeiro desejo.

Vivemos simultaneamente em três níveis: o espiritual, o mental e o físico. Por saber disso, o que você precisa fazer contém três partes: primeiro criar um Protótipo Espiritual, delineando o seu futuro impulso, o seu desejo do futuro. No momento em que você o tiver esboçado, ele existe no mundo espiritual em outra dimensão; simplesmente envie uma onda de oferta. O desejo ainda não está na terceira dimensão, mas isso não importa, mesmo assim é real. Segundo, se você é capaz de redigir especificamente o desejo e descrevê-lo ou de uma forma escrita ou verbal, já o tem no plano mental. Se você não o tivesse nesse plano, não conseguiria descrevê-lo. Agora, pense no seguinte… você já tem o desejo em dois dos três planos que você vive! No minuto em que você consegue visualizá-lo e descrevê-lo especificamente, já percorreu dois terços do caminho. Está entendendo? É exatamente por isso que eu quero que você comece a colocar no papel os seus mais profundos desejos. Quando você os tiver claramente definidos, terá aceitado a onda da oferta do seu desejo. Finalmente (e esta é a parte mais difícil), você precisa pensar, sentir e agir em conformidade com esse protótipo espiritual – não importa o que aconteça.

Temos a tendência de pensar o seguinte: Se eu praticar esta ação, obterei aquele efeito, mas isso não é exato. A sua ação nada mais é do que uma confirmação do seu impulso futuro. Isso não significa que a ação não seja importante; ela é fundamental. Mas não é a ação que está criando os seus resultados… ela está confirmando o universo do qual você escolheu participar. Está entendendo?

Quando recebemos o desejo (o nosso impulso futuro do Eu Superior que já projetou e escolheu o nosso resultado mais elevado), a nossa tarefa é agir de acordo com esse impulso futuro preparando-nos para recebê-lo. Vou me repetir porque isso é importante. A ação é fundamental, mas não é a ação que está efetivamente criando o resultado; ela está apenas confirmando que se encontra no universo certo, no caminho correto em direção ao seu resultado. Assim, como você está pensando, sentindo e agindo em concordância com o seu desejo, é apenas uma questão de esperar que ele se desenvolva através da seqüência de eventos e chegue ao terço final da equação, o mundo físico.